Dicas de LeituraInvista AGORAMeu Dinheiro

A importância de aprender a investir

mar . 26

Toda criança já ouviu a pergunta: ‘o que você vai ser quando crescer?’. Por mais que a resposta possa variar ao longo dos anos, o fato é que este questionamento faz com que os pequenos comecem a identificar o que mais gostam de fazer (como cuidar de bichos e assim se tornar um veterinário) ou algo que lhes cause admiração (médicos, bombeiros ou policiais, por exemplo).

Mesmo que de forma lúdica, este ato faz com que as crianças comecem a planejar seu futuro profissional e os pais tendem a acompanhar esse sonho se programando para instruir os filhos nos cursos e desenvolvimento de habilidades necessários para desempenhar tal função.

Contudo, resta ainda ao brasileiro aprimorar o hábito do planejamento financeiro. Pesquisas apontam que cerca de 75% dos brasileiros não têm o costume de guardar dinheiro.

Assim como pais e crianças se organizam pensando no futuro profissional, é importante que todos também aprendam a investir.

E é justamente na fase infantil que este hábito pode ser ensinado aos filhos. Contribuir periodicamente com a famosa “mesada” e auxiliar o filho a investir uma parte dela para no futuro adquirir um brinquedo mais caro ou algo especial que deseje, é uma excelente forma de os pais contribuírem na sua formação. Desta forma, os pequenos já serão instruídos desde cedo que guardar um pouco de dinheiro todo mês não é sacrifício, mas sim, uma maneira saudável de se programar para conquistar objetivos maiores.

Porém, não são só as crianças que podem e devem economizar. O hábito do investimento deve ser desenvolvido por todos. É óbvio que quanto antes se começa, maior será a reserva em caso de uma necessidade ou mesmo para aquisição de um bem maior. Tudo é uma questão de planejamento. Por isso, os especialistas são unânimes em afirmar que, antes de definir qual a melhor opção de investimento, é fundamental desenvolver o hábito de investir.

Uma das formas para criar o hábito de investir é analisar as prioridades de vida. É mais eficiente pensar na economia como um meio de alcançar algo almejado: fica mais fácil priorizar o sonho e adaptar a renda a ele, pois, desse modo, investir estará ligado a algo prazeroso ou desejado.

Construir uma reserva monetária é justamente um dos pilares da segurança financeira. É esta proteção que nos proporciona tranquilidade para enfrentar os momentos de crise econômica do País, de perda de emprego ou mesmo de um caso de doença na família. Afinal, numa situação de crise, é mais difícil obter crédito e o dinheiro em conta e de reserva se tornam fundamentais.

Mas, investir não serve apenas para os momentos difíceis. A reserva em dinheiro e o retorno dos investimentos trazem mais flexibilidade à vida pessoal e profissional. Com mais tranquilidade, você poderia recusar trabalhos indesejados, trocar de emprego, investir em novos projetos ou apenas trabalhar menos e se dedicar a hobbies e outras paixões.

Já que estamos falando em mudanças de hábitos, por que não se programar de outra forma? De modo geral, as pessoas estão acostumadas a receber seus rendimentos e aplicar o que sobra. Comece diferente: programe-se para investir no momento em que receber. Nem que seja um pouquinho por mês.

E não é porque você vai começar guardando pouco que não dá para conseguir bons resultados. Outra percepção comum e errônea do brasileiro é acreditar que, com pouco por mês, o único investimento viável é a caderneta de poupança.

Existem outras opções seguras no mercado que, inclusive, trazem rentabilidade maior que a caderneta de poupança, como os títulos de renda Recibo de Depósito Bancário RDB e a Letra de Câmbio (LC) remunerado com taxas pós e  prefixadas. Aplicar nestes títulos é tão simples quanto aplicar na poupança. E você nem precisa sair de casa! No PoupaBrasil você pode fazer seu cadastro on-line e começar a investir suas reservas a partir de mil reais.

Viu como aprender a se organizar a investir é fazer o seu dinheiro trabalhar a seu favor?

Compartilhe!